Entenda o papel da resiliência no trabalho

O universo corporativo está cercado de conceitos fundamentais, voltados para a avaliação e o desenvolvimento dos colaboradores. Hoje, é evidente que o papel do RH no engajamento das equipes e na integração cultural pode oferecer resultados mais efetivos para as instituições.

Nos últimos tempos, a atenção também tem se voltado para a resiliência no trabalho. Seu significado é bem simples e está diretamente relacionado à qualidade produtiva. E o assunto tem sido tema para estudo em grandes corporações e universidades, especialmente porque envolvem estratégias de coping(esforços voltados para emoção ou resolução de problemas) e análise comportamental.

Para entender um pouco mais sobre o tema, continue a leitura!

O que é resiliência?

Resiliência nada mais é do que a capacidade de retornar à forma original, após grande impacto.

Fazendo uma adaptação ao comportamento humano, nos referimos àquelas pessoas que conseguem enfrentar desafios e adversidades (sejam eles diários ou de maior proporção), de forma saudável e com disposição para voltar ao contexto anterior. Dentre suas principais características, podemos citar o autocontrole emocional, o poder da improvisação, o pensamento positivo, a flexibilidade e a atenção aos feedbacks.

Ela também está muito próxima das questões pessoais/familiares e pode ser entendida como uma das formas que a pessoa encara determinadas situações da vida. Por exemplo, o resiliente é aquele que consegue visualizar novas oportunidades, que acredita nas resoluções e o principal: que parte para ação.

Qual é o ciclo da resiliência?

O ciclo da resiliência envolve quatro ações/sentimentos principais. O primeiro deles é autoconfiança, em que o colaborador entende suas capacidades e diferenciais. Nesse quesito também está a capacidade da pessoa em reconhecer seus pontos fracos e a necessidade de melhorá-los.

O segundo é a proatividade, em que o funcionário não tem medo de correr determinados riscos e ainda consegue incentivar os colegas. A proatividade sempre foi valorizada nas empresas, pois ajuda na inovação e no alcance dos resultados.

Já o terceiro item refere-se ao relacionamento interpessoal. Nele, o colaborador tem empatia e apresenta bom relacionamento com os colegas e líderes, além de se adaptar às transformações. O último é a abertura para a aprendizagem contínua e, nesse cenário, a empresa também possui o seu papel: aqui a disposição de técnicas e ferramentas para o desenvolvimento é incentivada também pelos líderes.

Como a resiliência no trabalho pode ser desenvolvida?

Em uma das mais famosas edições do TEDx Talks, a professora e pesquisadora da Universidade de Huston Brené Brown defende o poder da vulnerabilidade.

De forma resumida, sua teoria está voltada à importância que as incertezas e insucessos representam na vida das pessoas. Cenários que poderiam ser encarados como negativos passam a ser lidos com outra perspectiva: a potencialização da necessidade de reverter o que é destrutivo e uma oportunidade a mais para fortalecer relacionamentos interpessoais. De acordo com a autora: “É preciso coragem para ser imperfeito”.

A resiliência no trabalho está diretamente relacionada ao estudo de Brown e, quando pensamos no desenvolvimento dessa característica, precisamos lembrar que ao permitir que os colaboradores saiam da zona de conforto, as instituições estão também ajudando no processo de aprendizagem e crescimento profissional. Para tanto, existem diversas formas deincentivar o desenvolvimentoda resiliência, como:

  • oferecer apoio interpessoal;
  • apresentar oportunidades de adaptação estratégica;
  • fomentar a cultura de transparência e inovação;
  • implementar processos de feedback;
  • valorizar a competência social.

E como você pode perceber, ainda que exista determinada subjetividade no conceito, os gestores que possuem determinado feeling, conseguem facilmente perceber a evolução do colaborador.

Onde a análise de desempenho se encontra nesse conceito?

Naturalmente, todo esse processo demanda, antes de qualquer coisa, um respeito pelo profissional. É indicado, então, um estudo de perfil, a elaboração de 1on1s (reuniões de check in entre líderes e liderados) e um planejamento de programas de integração.

A análise de desempenho pode auxiliar bastante a implementar uma cultura de resiliência no trabalho, isso porque os gestores responsáveis pela equipe conseguirão constatar, por meio dos resultados, as prováveis facilidades e dificuldades dos funcionários.

A análise possui muitas subdivisões, mas as três principais e mais conhecidas no mercado são:

  1. a apreciação diária: em que o comportamento, a forma de lidar com determinadas situações, os progressos e a comunicação com a equipe são observadas;
  2. a identificação de pontos de melhoria: o gestor deve conseguir indicar onde o colaborador pode melhorar, onde possui ações deficientes ou corretas;
  3. a elaboração do feedback: acompanhado de avaliações periódicas, em que é possível identificar a evolução do colaborador.

Com os resultados em mãos, fica mais fácil visualizar os próximos passos e quais caminhos devem ser assumidos pela instituição. O que queremos dizer aqui é que a empresa tem, sim, um papel fundamental para auxiliar no desenvolvimento da resiliência do funcionário.

Como uma empresa especializada pode ajudar?

Agora que você compreendeu como a resiliência pode ser desenvolvida nas empresas e o papel da análise de desempenho nesse cenário, é válido lembrar sobre a importância da formalização e qualidade dos processos. Toda organização que valoriza o desenvolvimento das soft skills entende a importância de prover os recursos necessários para os gestores.

Por isso, contar com uma assessoria especializada pode apresentar um grande diferencial nos resultados. Ter uma consultoria, por exemplo, auxilia na elaboração de processos mais alinhados com a cultura da empresa e com a necessidade dos funcionários. Tudo isso feito de forma mais aprofundada.

Outro ponto importante são as palestras, os treinamentos, as organizações de eventos e as dinâmicas, que também são vistos como algo positivo pelos colaboradores. Essas atividades ajudam os funcionários a entender como a instituição os valoriza e o que a instituição observa, como: “O meu colaborador está engajado?”, “A equipe apresenta resiliência?”, etc.

Como você pode perceber, a resiliência no trabalho possui ramificações importantes, e atuar no seu desenvolvimento pode trazer ótimos resultados para a empresa.

Esperamos que tenha gostado do nosso conteúdo! Cabe lembrar que a s2 Consultoria possui a resiliência como um dos seus principais valores. Além disso, nossa missão é auxiliar e ser referência para as organizações que atuam com a gestão humana. Para entender um pouco mais sobre nosso trabalho e como podemos ajudar a sua instituição, entre em contato conosco.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *