Saiba porque aplicar pesquisa de resiliência ética de funcionários

Os processos seletivos atuais não consideram só os conhecimentos técnicos dos candidatos, mas também seus comportamentos e competências emocionais. Dentro desse aspecto, muitas empresas estão aplicando a pesquisa de resiliência ética de funcionários.

Essa pesquisa ajuda a entender se o profissional é capaz de manter uma postura íntegra diante de dilemas, e se é uma pessoa confiável para lidar com ativos importantes da empresa, sejam dados, finanças ou mesmo transações.

Quer entender melhor o que é essa pesquisa e por que você deve aplicá-la na sua empresa? Acompanhe o post até o final!

O que é a pesquisa de resiliência ética?

A pesquisa de resiliência ética é um teste aplicado em profissionais (contratados ou em seleção) para identificar o nível de vulnerabilidade dessas pessoas ao se depararem com dilemas éticos no trabalho.

Em outras palavras, traz como o trabalhador se portaria diante da possibilidade de cometer uma fraude. A partir desses resultados, a empresa pode apresentar soluções voltadas para o desenvolvimento dessa resiliência.

Essa ferramenta pode ser adaptada para os diversos níveis hierárquicos, e possui perguntas que incluem temas relacionados a pequenos subornos, como ofertas de presentes e uso de dados sigilosos.

Qual a importância dessa pesquisa?

O teste de resiliência ajuda a identificar e analisar a adesão dos funcionários aos valores éticos da empresa.

Essa avaliação é essencial para que a organização possa atuar de maneira preventiva, evitando a ocorrência de possíveis fraudes, reforçando os valores corporativos e o seu papel para uma boa trajetória.

Com a aplicação do teste de resiliência, é possível contratar melhor e orientar os funcionários quanto à postura correta, diminuindo o risco de exposição da empresa a escândalos envolvendo fraudes e assédios.

Como os testes são aplicados?

As avaliações são compostas pela realização de entrevistas, provas de conhecimento, provas situacionais e testes psicológicos.

Durante essas análises, diversos pontos são considerados, como manifestações do inconsciente através de microexpressões, comunicação verbal e não-verbal.

A mensuração e interpretação correta dos resultados devem ser feitas por especialistas, capazes de analisar a situação de maneira imparcial e traçar um perfil preciso sobre cada colaborador.

Partindo dessas informações, a empresa consegue estruturar e aplicar treinamentos e políticas capazes de mitigar as situações de fraude e de assédio, assim como determinar punições que desestimulem essas práticas.

Vale lembrar que esses testes não devem ferir a imagem do participante. Ou seja, a divulgação dos resultados é totalmente vetada, podendo causar sérios prejuízos, como um processo por danos morais.

A intenção da pesquisa de resiliência ética deve ser sempre de preservar e de adotar ações preventivas na empresa, jamais de expor ou prejudicar algum profissional.

Na sua organização, a pesquisa de resiliência ética de funcionários é adotada como prática? Vale a pena pensar nessa possibilidade e, principalmente, contar com o apoio de especialistas para aplicar e avaliar esses testes de maneira idônea, com os conhecimentos necessários para isso.

Aproveite a pesquisa e conheça um case de sucesso, que mostra como a aplicação do teste de integridade pôde ajudar o SESC MG. Você pode conferir o conteúdo neste link.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *