SAIBA QUAL É O PERFIL DO FRAUDADOR BRASILEIRO E COMO SE LIVRAR DELE

Em meio ao cenário de fraudes, que força as empresas prejudicadas a arcarem com o valor dos estornos do cartão de crédito, por exemplo, há uma notícia boa: já existem técnicas capazes de traçar o perfil do fraudador brasileiro e combater esse problema de forma mais eficaz.

A fraudologia é uma perícia contábil que estuda as fraudes e o perfil do fraudador a partir de um padrão de comportamento, cruzamento de informações e estudo de patologias que podem influenciar no crime.

Junto a essa ciência existe uma movimentação de diversas organizações para conseguir controlar e combater o risco de fraudes com a ajuda da identificação do perfil do fraudador, erros que as empresas cometem que as tornam mais suscetíveis ao crime etc.

Então, quer entender mais sobre a temática? Acompanhe o artigo e tire suas dúvidas!

Perfil do fraudador brasileiro

Existem três principais tipos de fraudes:

  • a realizada por conhecidos que utilizam dados de um cartão de crédito sem o consentimento do responsável;
  • a autofraude, em que o responsável pelo cartão de crédito diz não reconhecer a compra para ter o valor de volta;
  • a fraude que gera maiores prejuízos e que normalmente são realizadas por criminosos profissionais.

Pesquisas mundiais realizadas pela KPMG entre 2013 e 2015 mostram que é sim possível traçar um perfil do fraudador, já que ele conta com características padrões, especialmente no caso de fraudes cometidas por profissionais. Elas são as seguintes:

Gênero e idade

  • 69% desses tipos de criminosos (homens e mulheres) têm entre 36 e 55 anos;
  • 14% da porcentagem restante se encaixam entre 26 a 35 anos;
  • 79% são homens, sendo que a porcentagem de mulheres subiu para 17% só em 2010;
  • entre o grupo de mulheres fraudadoras, 45% delas têm faixa etária entre 36 a 45 anos.

Origem

  • na maior parte dos casos (62%), o fraudador contou com ajuda de terceiros, número que subiu para 70% em 2013;
  • entre os dados das pessoas que compactuaram com o crime, 66% deles envolvem homens;
  • 65% dos envolvidos na fraude eram pessoas da própria organização vitimada e 21% de ex-empregados;
  • entre os fraudadores empregados, 38% permaneceu na firma por mais de seis anos.

Cargo

  • 32% das pessoas que praticam a fraude são executivos ou diretores não-executivos;
  • 16% são membros do corpo funcional da corporação, e 32% são gerentes;
  • com relação à região da Oceania, 52% dos fraudadores ocupavam algum cargo no corpo funcional da corporação;
  • na África e no Oriente Médio os fraudadores ocupavam 47% dos cargos gerenciais, enquanto na América do Norte a porcentagem era de 33%;
  • na Europa, 39% dos criminosos estavam associados a cargos da diretoria.

Fraudador conta com ajuda de terceiros

Conforme mencionado, a maior parte dos fraudadores não age de forma isolada para cometer o crime. Essa informação indica também que eles dificilmente atacam a mesma organização pela segunda vez, mas sim escolhem outros estabelecimentos para obter sucesso e diminuir as chances de serem descobertos.

Do mesmo modo, a tendência é que eles optem por segmentos e vendedores completamente diferentes, assim fica mais difícil traçar um paralelo e levantar suspeitas.

Fraudadores se comunicam uns com os outros

A comunicação entre os fraudadores, como a troca de informações sobre as plataformas com maior facilidade de golpes e as mais dificultosas, é fundamental para o sucesso e otimização do tempo dos criminosos.

O meio de comunicação mais utilizado costuma ser as redes, como o Facebook, em que é possível criar grupos fechados para a troca de informações, e o Telegram, já que o aplicativo dificulta o bloqueio e rastreamento dos usuários, além de garantir privacidade, espaço ilimitado e contar com a ferramenta de mensagens autodestrutivas. Inclusive, ele é o meio usado para terroristas trocarem informações.

Fraudador é uma profissão

Considerar que muitos fraudadores podem ser profissionais, especialmente em casos que geram maiores prejuízos, é possível dizer que eles têm conhecimento dos contadores de frequência e diversos outros processos internos utilizados para combater o crime, especialmente se forem pessoas ligadas à organização vitimada.

Dados da mesma pesquisa do KPMG mostram não somente que a tecnologia utilizada por boa parte das corporações é ineficaz ao impedir o crime, como também viabiliza o ato para cerca de 25% dos fraudadores investigados.

Afinal, do mesmo modo que as tecnologias avançam para combater esse crime, avançam as ações de quadrilhas para driblar o combate à fraude, como ao contar com empresas que vendem dados de cadastramento e listas de prospecção.

Porém, o que as análises mostram é que muitas corporações não cooperam como deveriam para atenuar a situação, como ao investir em sistemas de monitoramento de ameaças e ferramentas de análise de dados. Garantir isso em meio à globalização é essencial, especialmente se for levado em conta o aumento de 27% de fraudadores capazes de tirar esse tipo de vantagem.

Fraudador e o interesse por eletroeletrônicos

Apesar de as pesquisas mostrarem que os fraudadores não tendem a escolher uma empresa ou segmento específico, além de procurar variar nos nichos escolhidos, os alvos frequentes das quadrilhas costumam ser eletroeletrônicos e smartphones. Isso torna a necessidade de tomar medidas preventivas em empresas desse nicho ainda mais essencial.

Como as empresas podem lidar com os fraudadores

Diante dos dados alarmantes e do profissionalismo do perfil do fraudador, as corporações do mercado brasileiro precisam ganhar mais maturidade e adotar práticas mais estruturadas de prevenção, detecção, investigação, correção e monitoramento.

Inclusive, o monitoramento tem sido apresentado como o mecanismo com engajamento mais baixo, o que mostra um desafio para as empresas no combate à fraude. Assim, é preciso que seja discutido, especialmente a partir das experiências de cada organização, como conseguir uma gestão de risco mais eficiente com relação ao assunto.

Nesse sentido, conhecer o perfil do fraudador é um passo essencial, assim como entender os métodos e tecnologias importantes e diferenciadas. Também, contar com uma consultoria que é referência nacional e internacional na área de compliance e dilemas éticos, como a S2               Consultoria, é fundamental.

Nós trabalhamos para identificar, desenvolver e restabelecer a resiliência dos profissionais da sua organização, e você pode contar com nosso teste de integridade online — o PIR (Potencial de Integridade Resiliente) — para ajudar nisso. Entre em contato conosco para saber mais!

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *