Ética e cultura organizacional: qual a relação entre eles?

Você já parou para se perguntar sobre como a ética e a cultura organizacional estão relacionadas? Os dois conceitos são bem conhecidos no cenário da gestão de pessoas, especialmente porque são ativadores dos comportamentos dos funcionários e influenciam na forma que eles enxergam e se relacionam com a instituição.

Quando uma empresa estabelece seus valores, regras e missões, é mais fácil nortear quais são os comportamentos esperados em determinada situação. E, quando se pensa na questão moral e ética, o assunto fica ainda mais complexo: a ética está diretamente relacionada à individualidade humana, mas também envolve uma série de valores normativos.

Vamos analisar melhor o assunto? Preparamos este artigo para explorar um pouco mais da relação entre ética e cultura organizacional e seus possíveis desmembramentos. Confira!

Qual a relação entre ética e cultura organizacional?

Há uma frase, de um autor desconhecido, que é muito interessante para o início desse debate. Ela diz que “a ética é tudo aquilo que você faz, quando acha que ninguém está olhando”. Diante da complexidade desse conceito, cabe uma analogia para o setor corporativo. Como saber o que o colaborador faz quando ninguém está olhando?

A resposta é simples: não há como saber. Ainda que existam ferramentas que permitem determinado controle de desenvolvimento, a confiança no funcionário e na sua capacidade de atuação é um dos pontos-chave para o sucesso de qualquer empresa.

E é exatamente por isso que a ética e a cultura organizacional estão intimamente interligadas. Quando as regras estão claras e bem estabelecidas, a conduta padrão também tende a ser fortalecida. Além disso, é mais claro determinar como agir diante das irregularidades.

Em um caso de corrupção dentro da empresa, por exemplo, é importante permitir que existam canais de denúncia ou comunicação entre os colaboradores e gestores, permitindo que todo o processo seja o mais transparente possível.

Como a comunicação interna influencia nesse processo?

Antes de qualquer coisa, é importante lembrar a importância do exemplo. Isso quer dizer que os líderes devem possuir um discurso alinhado aos valores da instituição e oferecer o exemplo prático, para que os liderados entendam qual é a postura ideal na empresa.

Talvez esse seja um dos primeiros passos para estabelecer uma cultura interna efetiva (em que os colaboradores se sintam seguros para reportar o que for necessário e entendam claramente o que deve ser feito). Outra estratégia importante é o desenvolvimento e divulgação de códigos de conduta, e até mesmo ações de employer branding (ou seja, ações de marca voltadas aos funcionários).

A comunicação interna efetiva é também engajadora e motivadora, permitindo maior agilidade nos processos e alinhamento da equipe. Portanto, seu planejamento e acompanhamento são fundamentais.

Bom… Como você pode ver, ética e cultura organizacional possuem alta relação e, para que esse processo seja mais claro e efetivo para os colaboradores, é importante que a instituição e seus gestores assumam determinados processos de integração, que facilitem a comunicação e a clareza das ideias.

Gostou do nosso conteúdo? Para ficar ainda mais contextualizado sobre o tema, não deixe de ler nosso outro artigo sobre os principais dilemas éticos nas organizações.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *